A representação de outsiders em Estranhos no Paraíso

Autores

  • Helena Lukianski Pacheco Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Melina Aparecida dos Santos Silva Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2021.175897

Palavras-chave:

Estabelecidos-outsiders, Jim Jarmusch, Estranhos no Paraíso

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o filme Estranhos no Paraíso (Stranger than Paradise, 1984), do cineasta estadunidense Jim Jarmusch. Propomos uma reflexão sobre o fato de que, ao longo do século XX, “imagens modelares” do American way of life constituíram uma das várias configurações estadunidenses das relações estabelecidos-outsiders, com o apoio da mídia e da indústria cultural. Desta forma, a análise fílmica de Estranhos no Paraíso terá como um dos principais aportes teóricos a concepção de outsiders. Partiremos da questão: como o filme Estranhos no Paraíso mostra uma representação crítica das relações estabelecidos-outsiders instauradas pelo american way of life?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helena Lukianski Pacheco , Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Mestre em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Melina Aparecida dos Santos Silva, Universidade Federal Fluminense

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (UFF). Realiza estágio pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da PUCRS.

Referências

ANDREW, G. Stranger than Paradise: Maverick film-makers in recent American cinema. Nova York: Limelight, 1999.

AUMONT, J.; MARIE, M. A análise do filme. Lisboa: Texto & Grafia, 2009.

BECKER, H. Outsiders: estudos de sociologia do desvio. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

COELHO, P. Desconstruindo a Beleza americana: discursos sobre família no cinema. Domínios da Imagem, Londrina, v. 8, n. 15, p. 98-122, 2014.

COLLINS, P. H. Aprendendo com a outsider within. A significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 31, n. 1, p. 99-127, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100006.

COMOLLI, J. L. O espelho de duas faces. In: YOEL, G. (org.). Pensar o cinema: imagem, ética e filosofia. São Paulo: Cosac Naify, 2015. p. 165-203.

COOPER, M. Family values: between neoliberalism and the new social conservatism. Nova York: Zone Books, 2017.

CORRÊA, L. J. A. Breve história do videoclipe. CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO DA REGIÃO CENTRO-OESTE, 8., 2007, Cuiabá. Anais […]. Cuiabá: Intercom, 2007. p. 1-15. Disponível em: https://bit.ly/3ILaJZP. Acesso em: 9 dez. 2021.

CUNHA, P. R. F. American way of life: representação e consumo de um estilo de vida modelar no cinema norte-americano dos anos 1950. 2017. Tese (Doutorado em Comunicação e Práticas de Consumo) – Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, 2017.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DELEUZE, G. A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 1990.

DUNKER, C. I. L. A lógica do condomínio ou: o síndico e seus descontentes. Leitura flutuante. Revista do Centro de Estudos em Semiótica e Psicanálise, São Paulo, v. 1, p. 1-8, 2011.

ELIAS, N.; SCOTSON, J. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

FRÚGOLI JR., H. Celebration: a busca da cidade perfeita e a vida real. EURE, Santiago, v. 27, n. 81, p. 123-127, 2001.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Loyola, 2008.

HOBSBAWM, E. Era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

JARVIS, B. “You’ll never get it if you don’t slow down, my friend”: towards a rhythm analysis of the everyday in the cinema of Jim Jarmusch and Gus Van Sant. Journal of American Studies, Cambridge, v. 54, n. 2, p. 385-406, 2019. DOI: https://doi.org/10.1017/S0021875818001421.

KARNAL, L. História dos Estados Unidos: das origens ao século XXI. São Paulo: Contexto, 2007.

KING, G. American Independent Cinema. Nova York: I. B. Tauris, 2005.

LACKEY, E. Arbitrary reality: the global art cinema of Jim Jarmusch. 2012. Dissertação (Mestrado em Artes) – University of Kansas, Kansas, 2012.

LIEVEN, A. America right or wrong: an anatomy of american nationalism. Nova York: Oxford University Press, 2004.

MCKNIGHT-TRONTZ, J. This ain’t no disco: new wave album covers. São Francisco: Chronicle Books LLC, 2005.

MIGLIORE, R; MOUSINHO; L. Outsiders na telona: alteridade e dialogismo em ghost dog e no cinema de Jim Jarmusch. ANIMUS – Revista Interamericana de Comunicação Midiática, Santa Maria, v. 18 n. 38, p. 111-129, 2019.

MORAN, I. P. Punk: the do-it-yourself subculture. Social Sciences Journal, Danbury, v. 10, n. 1, p. 58-65, 2010.

NEIBURG, F. Apresentação à edição brasileira. In: ELIAS, N.; SCOTSON, J. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000. p. 7-12.

ORTNER, S. B. Not Hollywood: independent film at the twlight of the American dream. Londres: Duke University Press, 2013.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2009.

RANCIÈRE, J. As distâncias do cinema. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

RANCIÈRE, J. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012a.

ROOPNARINE, L. United States Virgin Islands migration. Social and Economic Studies, v. 57, n. 3/4, p. 131-156, 2008. São Francisco: Chronicle Books LCC, 2005.

SKLAR, R. História social do cinema americano. São Paulo: Cultrix, 1975.

WALLERSTEIN, I. European Universalism: the rhetoric of power. Londres: New Press, 2006.

WOODWARD, K. Identidade e Diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA; T., HALL, S; WOODWARD, K. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Rio de Janeiro: Vozes, 2000. p. 2-43.

WYNTER, S. Unsettling the coloniality of being/power/truth/freedom towards the human, after man, its overrepresentation – an argument. The New Centennial Review, East Lansing, v. 3, n. 3, p. 257-337, 2003. DOI: https://doi.org/10.1353/ncr.2004.0015.

Downloads

Publicado

2021-12-29

Como Citar

PACHECO , H. L. .; SILVA, M. A. dos S. . A representação de outsiders em Estranhos no Paraíso. RuMoRes, [S. l.], v. 15, n. 30, p. 242-266, 2021. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2021.175897. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/175897. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos