Transferência de Conhecimentos para a Sociedade: o caso do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Biodiversidade e Produtos Naturais

Autores

  • Ana Beatriz Camargo Tuma Universidade de São Paulo
  • André Chaves de Melo Silva Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v25i1p70-79

Palavras-chave:

Biodiversidade, Comunicação ambiental, Educação ambiental, INCT, Jornalismo ambiental

Resumo

Os Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) devem, entre outros aspectos, contemplar a área de “Transferência de Conhecimentos para a Sociedade”, a qual, em linhas gerais, é voltada para a educação e a divulgação científica. Nesta pesquisa, tem-se como objetivo geral explorar as atividades realizadas pelo INCT Biodiversidade e Produtos Naturais (BioNat) na referida área, com foco em educação ambiental (EA), divulgadas em seu site entre junho de 2017 e junho de 2018. Os objetivos específicos são coletar e analisar as postagens sobre EA publicadas na seção Novidades do Site e investigar se o BioNat produz comunicação ambiental ou jornalismo ambiental. Como considerações, é possível afirmar que este INCT produz comunicação ambiental e possui interesse na EA voltada para a população em geral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Beatriz Camargo Tuma, Universidade de São Paulo

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo. Mestra em Divulgação Científica e Cultural pela Universidade Estadual de Campinas. Graduada em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Federal de Uberlândia

André Chaves de Melo Silva, Universidade de São Paulo

Jornalista e historiador, mestre e doutor em Educação, é professor de Jornalismo Científico, Jornalismo e Saúde, História da Ciência, Agências de Notícias e Jornalismo, Agribusiness e Meio Ambiente da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Chamada INCT: MCTI/CNPq/CAPES/FAPs nº 16/2014. 2014. Disponível em: http://www.cnpq.br/documents/10157/b91b7566-2110-4a29-9704-88cdd324e072. Acesso em: 18 maio 2018.

BUENO, W. C. Jornalismo ambiental: explorando além do conceito. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 15, p. 33-44, 2007. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/made/article/view/11897/8391. Acesso em: 22 jul. 2018.

CARVALHO, I. C. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

GOHN, M. G. Educação não formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 50, p. 27-38, 2006. Disponível em: http://revistas.cesgranrio.org.br/index.php/ensaio/article/view/694. Acesso em: 19 jul. 2018.

INCT-BIONAT. A biodiversidade em números. 2017. Disponível em: http://inctbionat. iq.unesp.br/a-biodiversidade-em-numeros/. Acesso em: 19 jul. 2018.

INCT-BIONAT. INCT BioNat. 2018a. Disponível em: http://inct-bionat.iq.unesp.br/inct-bionat/. Acesso em: 19 maio 2018.

INCT-BIONAT. Missão. 2018b. Disponível em: http://inct-bionat.iq.unesp.br/inct-bionat/missao/. Acesso em: 19 jun. 2018.

INCT-BIONAT. O INCT-BioNat arrasa no Pint of Science 2018. 2018c.Disponível em: http://inct-bionat.iq.unesp.br/o-inct-bionat-arrasa-no-pintof-science-2018/. Acesso em: 21 jul. 2018.

SAUVÉ, L. Educação ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 317-322, 2005. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ep/article/view/27979. Acesso em: 19 jul. 2018.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Tuma, A. B. C. ., & Silva, A. C. de M. . (2020). Transferência de Conhecimentos para a Sociedade: o caso do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Biodiversidade e Produtos Naturais. Comunicação & Educação, 25(1), 70-79. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v25i1p70-79