Por uma Arqueologia anti-colonialista: a ocupação Kayapó Meridional no Triângulo Mineiro e a colonização de guerra.

Autores

  • Thandryus Augusto Guerra Bacciotti Denardo Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2021.163753

Palavras-chave:

Kayapó Meridional, Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, Anti-Colonialismo

Resumo

O Projeto Quebra-Anzol realizou, nas últimas quatro décadas, pesquisas intensivas e sistemáticas de campo na região do Triângulo Mineiro, a fim de buscar estabelecer a história de longa duração da ocupação territorial Kayapó Meridional. Particularmente, o sítio Santa Luzia, localizado em Pedrinópolis/MG, representa o sítio lito-cerâmico mais antigo, com datações de cerca de 1830 ± 183 anos AP. A cultura material local revela o grande domínio da paisagem, bem como um grande adensamento populacional decorrente da agricultura. Assim, é possível contrapor o discurso colonialista, que ora justificou as então chamadas “guerras justas”, ora justificou outras formas de dominação, como os aldeamentos. A análise de documentos históricos, como legislação, cartas, ou mesmo levantamentos corográficos, juntamente com os dados arqueológicos, permite compreender a história de longa duração a partir de diversos momentos. Utilizando a agência dos objetos se realiza então um projeto de descentramento, do colonizador para o colonizado, dos portugueses para os indígenas.  A Arqueologia se constitui como uma ciência de destruição, de morte, mas também de resistência de vida dos povos indígenas, que lutam ainda hoje diante de uma colonização que persiste, por exemplo, nas invasões de terras indígenas por latifundiários. Colonização esta que, sob o olhar não-colonial, não é nem de exploração e nem de povoamento, como aparece nos livros didáticos, mas sim de invasão, de guerra.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Thandryus Augusto Guerra Bacciotti Denardo, Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia

    Bacharel em Física pela Universidade de São Paulo (2015) e mestrado em Arqueologia pela Universidade de São Paulo (2018). Tem experiência na área de Arqueologia,  atuando principalmente nos seguintes temas: Kayapó Meridional, Educação patrimonial, Decolonialidade.

Referências

Adichie, C. 2014. O perigo da história única. Ted Talks. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=EC-bh1YARsc>

Adorno, T. W. 1995. Educação e Emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Ajay, K.; Macleod, N.; Singh, N. 2005. Plutonomy: Buying Luxury, Explaining Global Imbalances. Citigroup, Equity Strategy, Industry Note.

Almeida, A. 2012. Alguns conceitos sobre cultura. Agbooks.

Alves, M. A. 1982. Estudo do sítio Prado – um sítio lito-cerâmico colinar. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Alves, M. A. 1988. Análise cerâmica: estudo tecnotipológico. Tese de Doutorado, Departamento de Antropologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Alves, M. A. 2009. Assentamentos e cultura material indígena anteriores ao contato no Sertão da Farinha Podre, M.G. e Monte Alto, S.P. Tese de Livre Docência, Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Alves, M. A. 2013. A Arqueologia no Extremo Oeste de Minas Gerais. Revista Espinhaço, p. 96-117.

Alves, M. A. 2016. Arqueologia da paisagem no Triângulo Mineiro, Minas Gerais, Brasil:

Artiaga, Z. 1959. História de Goiás: síntese dos acontecimentos da política e da administração pública de Goiás, de 1592 até 1935. Ed. do autor, Goiânia.

Barros, A. S. A. 2015. Os caçadores-coletores do médio vale do Paranaíba, Minas Gerais: estudo da cadeia operatória e sistema tecnológico do sítio ATM-691, Tupaciguara-MG e análise comparativa com o sítio Rezende, Centralina-MG. Projeto de Mestrado, Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Benavides, O. H. 2011. Retornando à origem: Arqueologia Social como filosofia latinoamericana. NUPEAT–IESA–UFG, v.1, n.2, p.164 –192.

Benjamin, W. 1987 Teses sobre o conceito da história, 1940. In: Obras escolhidas, v. 1. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense.

Bhabha, H. K. 2007. O local da cultura. Belo Horizonte: EDUFMG.

Boal. A. 2005. Teatro do oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira.

Borheim, G. 1998. O Conceito de Descobrimento. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Carta Capital. 2019. Bolsonaro: “Enquanto eu for presidente, não tem demarcação de terra indígena”. 16 de agosto de 2019. Acessado em: 31/10/2019. Disponível em: <https://www.cartacapital.com.br/politica/bolsonaro-enquanto-eu-for-presidente-nao-tem-demarcacao-de-terra-indigena/>

Casal, M. A. 1817. Corografia Brasílica ou Relação Historico-Geografica do Reino do Brazil. Rio de Janeiro. Facsímile do frontespíoio da Primeira Edição. Disponível em: <http://bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br/services/e-books/Aires%20de%20Casal-1.pdf>

Centro de Memória Digital da UNB. Código: 24469. Acessado em: 31/10/2019.

Clastres, P. 2004. Do Etnocídio. In: Clastres, P. Arqueologia da Violência: pesquisas de antropologia política. Publicado originalmente em 1980. São Paulo: Cosac & Naify.

Contraponto. 2018. Índio é preguiçoso, negro é malandro, diz general vice de Bolsonaro. 7 de agosto de 2018. Acessado em: 31/10/2019. Disponível em: https://contraponto.jor.br/indio-e-preguicoso-negro-e-malandro-diz-general-vice-de-bolsonaro/

D.I. 1913. Documentos interessantes para a história e costumes de São Paulo. v. 13. Publicação oficial do Arquivo Público do Estado de São Paulo. Tipografia Cardozo Filho, 3. ed.

Domênico, D.; Miranda, T.; Mama; Bola, M.; Oliveira, R.; Firmino, D.; Cuica, M.; Máximo, L. C. 2019. História para ninar gente grande. Intérprete: Marquinho Art’Samba (Estação Primeira de Mangueira).

Exame. 2019. É muita terra para pouco índio, diz Bolsonaro. 30 de agosto de 2019. Acessado em: 31/10/2019. Disponível em: <https://exame.abril.com.br/brasil/e-muita-terra-para-pouco-indio-diz-bolsonaro/>

Fagundes, M. 2004. Sítio Rezende: das cadeias operatórias ao estilo tecnológico - um estudo de dinâmica cultural no médio vale do Paranaíba, Centralina, Minas Gerais. Dissertação de Mestrado, Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Falcon, F.; Rodrigues, E. 2006. A formação do mundo moderno. Rio de Janeiro: Editora Campus.

Fanon, F. 1964. Em defesa da Revolução Africana. Disponível em: <https://www.marxists.org/portugues/fanon/1969/defesa/nota.htm>

Fanon, F. 2008. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: editora EDUFBA. Primeira edição em 1952.

Figueiredo, M. T. 2009. Estudo da cultura material lítica e cerâmica dos sítios Silva Serrote e Menezes: análise das cadeias operatórias dos vestígios de culturas pré-coloniais do alto Paranaíba, Minas Gerais. Dissertação de Mestrado, Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Freire, P. 2013. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

G1. 2017. Metade dos trabalhadores brasileiros tem renda menor que o salário mínimo, aponta IBGE. 29 de novembro de 2017. Acessado em: 31/10/2019. Disponível em: <https://g1.globo.com/economia/noticia/metade-dos-trabalhadores-brasileiros-tem-renda-menor-que-o-salario-minimo-aponta-ibge.ghtml>

G1. 2018. Bolsonaro compara indígenas em reservas a animais em zoológicos. 30 de novembro de 2018. Acessado em: 31/10/2019. Disponível em: <http://g1.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/videos/v/bolsonaro-compara-indigenas-em-reservas-a-animais-em-zoologicos/7200371/>

Galeano, E. 2010. As veias abertas da América Latina. Tradução de Sergio Faraco. Porto Alegre: L&PM Editores.

Giraldin, O. 1997. Cayapó e Panará: luta e sobrevivência de um Povo Jê no Brasil Central. Campinas: Editora da UNICAMP.

Gosden, C. 2001. Postcolonial Archaeology: Issues of Culture, Identity and Knowledge. In: I. Hodder (ed.) Archaeological Theory Today, pp. 241–61. Cambridge: Polity Press.

Hall, S. 2000. Quem precisa de identidade? In: Tomaz Tadeu Silva (org.) Identidade e diferença – a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes.

Hodder, I. 1999. The Archaeological Process: An Introduction. Oxford: Blackwell Publishers.

Ingold, T. 2000. The Perception of the Environment. Essays on livelihood, dwelling and skill. Londres: Routledge.

Krenak, A. 2019. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras.

Lima, T. S. 2019. O dois e seu múltiplo. Coleção Cadernos Ultramares. Lisboa: Oca Editorial.

Lyons, D.; Casey, J. 2016. It's a material world: the critical and on-going value of ethnoarchaeology in understanding variation, change and materiality. World Archaeology, 48(5): 609-627.

Magalhães, W. 2015. Estudo arqueométrico dos sítios arqueológicos Inhazinha e Rodrigues Furtado, município de Perdizes/MG: da argila à cerâmica... possíveis conexões entre os vasilhames cerâmicos e as fontes argilosas. Dissertação de Mestrado, Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Mandel, J.; Landi, G. 2019) Revolução Africana – Uma antologia do pensamento marxista. São Paulo: Autonomia Literária.

Marini, R. M. 1990) Dialética da dependência. 10ª edição. Cidade do México: Ediciones Era. (1ª edição, 1973).

Mariátegui, J. C. 1971) Seven Interpretative Essays on Peruvian Reality. Austin: University of Texas Press. Escrito inicialmente em 1928. Disponível em: <https://www.marxists.org/archive/mariateg/works/7-interpretive-essays/index.htm>

Marx, K. 1844) Glosas Críticas Marginais ao Artigo "O Rei da Prússia e a Reforma Social". De um prussiano. Disponível em:

Marx, K. 2013) O Capital. Livro I. São Paulo: Boitempo.

Marx, K.; Engels, F. 2007) A Ideologia Alemã. São Paulo: Boitempo.

Mcclintock, A. 2010) Couro imperial: raça, gênero e sexualidade no embate colonial. Campinas: Editora Unicamp.

Mcguire, R. H. 2013) Utilizar la Arqueología social para hacer hablar al perro. In: Tantaleán, H.; Aguilar, M. (orgs.) La arqueología social latinoamericana. De la teoría a la praxis. Bogotá: Universidad de los Andes.

Medeiros, J. C. 2008) Cultura material lítica e cerâmica das populações pré-coloniais dos sítios Inhazinha e Rodrigues Furtado, município de Perdizes, MG: estudo das cadeias operatórias. Dissertação de Mestrado, Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Memmi, A. 1974) Retrato do Colonizador precedido por Retrato do Colonizado. Lisboa: Mondar.

Monteiro, J. M. 1996) As "raças" indígenas no pensamento brasileiro do império. In: Maio, M.C., and Santos, R.V., orgs. Raça, ciência e sociedade [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; CCBB, pp. 14-22.

Moreira, M. P. 2016.Projeto Quebra Anzol, Minas Gerais: estudo de continuidade e mudança tecnológica intersítios na cultura material cerâmica. Dissertação de Mestrado. Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Morin, V. 1969. L'objet biographique. Communications, 13, p. 131-139.

Nabut, J. A. 2001. Fragmentos Árabes: Dores de Santa Juliana e Uberaba: Memórias do século XX. Instituto Triangulino de Cultura, Uberaba.

Navarrete, R. 2013. ¿El fin de la arqueología social latinoamericana? Reflexiones sobre la trascendencia histórica del pensamiento marxista sobre el pasado desde la geopolíticadel conocimiento latinoamericano. In: Tantaleán, H.; Aguilar, M. (orgs.) La arqueología social latinoamericana. De la teoría a la praxis. Bogotá: Universidad de los Andes.

Noelli, F. S.; Ferreira, L. M. 2007. A persistência da teoria da degeneração indígena e do colonialismo nos fundamentos da arqueologia brasileira. Hist. cienc. saude-Manguinhos [online]., vol.14, n.4, p.1239-1264.

Pagán-Jiménez, J. R. 2004. Is all Archaeology at Present a Postcolonial One?: Constructive Answers from an Eccentric Point of View. Journal of Social Archaeology 4(2), p. 200-213.

Prado Jr., C. 2011. Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Companhia das Letras.

Ramil, V. 2019. Estética do Frio. Coleção Cadernos Ultramares. Lisboa: Oca Editorial.

Revista Forum. 2018. As 10 mentiras mais contadas sobre os indígenas. Disponível em: <https://www.revistaforum.com.br/10-mentiras-mais-contadas-sobre-os-indigenas/>. Acesso em: 23/05/2018.

Revista Forum. 2019. Em discurso na ONU, Bolsonaro volta a culpar ONGs por explorar indígenas como “peça de manobra”. 24 de setembro de 2019. Acessado em: 31/10/2019. Disponível em: <https://revistaforum.com.br/brasil/em-discurso-na-onu-bolsonaro-volta-a-culpar-ongs-por-explorar-indigenas-como-peca-de-manobra/>

Romanews. 2019. Indígena Kaiapó usa facão para cobrar saúde e educação à prefeita Minervina Barros. Assista! 22 de janeiro de 2019. Acessado em: 31/10/2019. Disponível em: <https://www.romanews.com.br/cidade/indigena-kaiapo-usa-facao-para-cobrar-saude-e-educacao-a-prefeita/27158/>

Ruibal, A. G. 2008. A time to destroy. An archaeology of supermodernity. Current Anthropology, 49(2): 247-278

Saint-Hilaire, A. 1975. Viagem à província de Goiás; tradução de Regina Regis Junqueira. Belo Horizonte: Editora Itatiaia/EDUSP. Escrito originalmente em 1848.

Sampaio, A. C. J. 2001. Os homens de negócio do rio de Janeiro e sua atuação nos quadros do Império português (1701-1750). In: Fragoso, João; Bicalho, Maria Fernanda; Gouvêa, Maria de Fátima (orgs.) O Antigo Regime nos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Santos, B. S. 2005. As tensões da modernidade. Fórum Social Mundial, Biblioteca das Alternativas.

Santos, T. 2000. Teoria da dependência: balanço e perspectivas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Santos, T. 2011. Imperialismo y Dependencia. Caracas: Fundación Biblioteca Ayacucho. Primeira edição de 1978.

Schwarcz, L. M. 2013. Nem preto nem branco: muito pelo contrário. São Paulo: Companhia das Letras.

Segato, R. L. 2006. O Édipo brasileiro: a dupla negação de gênero e raça. Série Antropologia (400), Departamento de Antropologia, Universidade de Brasília.

Soares, E. 2018. O que se cala. Intérprete: Elza Soares. In:Deus é mulher. Rio de Janeiro: Deckdisk.

Todorov, T. 2016. A conquista da América: a questão do Outro. 4ª edição. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

Viáfora, C. Barreto, V. 1998. A cara do Brasil. Intérprete: Ney Matogrosso. In: Olhos de farol. São Paulo: Polygram. 1 CD, digital, estéreo.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

DENARDO, Thandryus Augusto Guerra Bacciotti. Por uma Arqueologia anti-colonialista: a ocupação Kayapó Meridional no Triângulo Mineiro e a colonização de guerra. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, Brasil, n. 37, p. 132–148, 2021. DOI: 10.11606/issn.2448-1750.revmae.2021.163753. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revmae/article/view/163753.. Acesso em: 19 jul. 2024.