Lusitania

the Atlantic circulation in the Roman Empire

  • Mariana Visone Faria Universidade de Porto
Keywords: Roman provinces, Lusitania, Borders, Atlantic navigation, Underwater archeology

Abstract

Roman Lusitania, as well as other Roman provincial regions, began to be prominent in antiquity investigations a few decades ago. In the earliest stud­ies of the Roman Empire these far-flung spaces were supportive and, in a naive form, Lusitania was considered to be part of the outermost Empire. Thus, the Atlantic strip of the Iberian Peninsula was also less studied. The purpose of this essay is to (re) think and (re) interpret the Roman Empire and propose a vision that intends to contribute to a more up-to-date understanding of what the Roman Empire was. The general concepts that order this attempt of revision are those of integration, navigation and frontier.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Mariana Visone Faria, Universidade de Porto

Mestranda em Arqueologia na Universidade do Porto. Pesquisadora do Laboratório de Arqueologia Romana Provincial, LARP-MAE/USP

References

Alarcão, J. 1990. A produção e a circulação dos produtos. In: Serrão, J.; Marques, A.H.O. (Dir.) Nova História de Portugal, I – Portugal das Origens à Romanização. Lisboa: 409-441.

Blot, M. L. B. H. P. 2003. Os portos nas origens dos centros urbanos. Contributo para a arqueologia das cidades marítimas e flúvio-marítimas em Portugal. Trabalhos de Arqueologia, Lisboa.

Bombico, S. A. R. 2010. Para uma valorização dos Itinerários Comerciais Romanos do Alto-Império no Atlântico – O papel do Património Cultural Subaquático. Universidade de Évora, Évora.

Bombico, S. A. R. 2017. Economia marítima da Lusitânia romana: exportação e circulação de bens alimentares. Universidade de Évora, Évora.

Fabião, C. 1997. A exploração dos recursos marinhos. In Alarcão, A. (Dir.) Portugal Romano. A exploração dos recursos naturais. Museu Nacional de Arqueologia, Lisboa.

Fabião, C. 2009. A dimensão atlântica da Lusitânia: periferia ou charneira no Império Romano? In: Georges, J. G.; Encarnação, J.; Nogales, T.; Carvalho, A. (Eds.) Lusitãnia romana: entre o mito e a realidade: actas da VI Mesa-Redonda Internacional sobre a Lusitânia Romana. Cãmara Municipal, Cascais: 53-74.

Guarinello, N. L. 2010. Ordem, integração e fronteiras no império romano. Disponível em:

https://moodle.ufsc.br/pluginfile.php/2497322/mod_resource/content/1/15b%20-%20GUARI-NELLO%20-%20Ordem%2C%20integra%C3%A7%C3%A3o%20e%20frontei¬ras.pdf

Mantas, V. G. S. 1990. As Cidades Marítimas da Lusitânia. In: Les Villes de la Lusitanie Romaine. Hiérarchies et Térritoires (Table Ronde Internationale du CNRS, Talence, 1988), CNRS, Paris: 149-205.

Mantas, V. G. S. 2002-2003. O Atlântico e o Império Romano. In: Revista Portuguesa de História. Instituto de História Económica e Social, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Tomo XXXVI, Volume 2: 445-467.

Mantas, V. G. S. 2004. Vias e portos da Lusitânia romana. In: Georges, J. G.; Cerrillo, E.; Nogales, T. (Eds.) V Mesa Redonda Internacional sobre Lvsitania Romana: Las Comunicaciones (Cáceres, 2002). Ministério da Cultura, Madrid: 427-453.

Mendes, N. M. 2014. A província da Lusitania: sistema econômico global e local. R. Museu Arq. Etn. Supl., São Paulo, n.18: 49-58.

Palmeira, M. S. 2007. Moses Finley e a “economia antiga”: A produção social de uma inovação historio-gráfica. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Revell, L. 2009. Roman Imperialism and Local Identities. Nova York: Cambridge University Press.

Vasques, M.S. 2014. Espaços territoriais e redes de poder no Egito Romano: imperialismo, religião e identidade. R. Museu Arq. Etn. Supl., São Paulo, n.18: 37-48.

Published
2019-11-21
How to Cite
Faria, M. (2019). Lusitania. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (32), 159-166. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2019.164257