Mindfulness, promoção da saúde e semiótica: bases para modelos comunicacionais em saúde online

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.smad.2020.165507

Palavras-chave:

Mindfulness, Online, Semiótica Discursiva, Promoção da Saúde

Resumo

Objetivo: identificar como o texto verbo-visual do curso produz sentidos e como isso pode auxiliar na  construção do design de outros cursos. Método: foi feita a análise semiótica de duas práticas e de um print de tela do curso denominado
Programa de Autocuidado Baseado em Mindfulness, na modalidade Educação à Distância, desenvolvido pelo Centro
Brasileiro de Mindfulness e Promoção da Saúde (“Mente Aberta”), do Departamento de Medicina Preventiva da Universidade Federal de São Paulo. Foram avaliados os elementos estéticos que contribuiriam para a construção de um ambiente de prática eufórico (ligado à saúde) e estabelecidas relações entre o plano de conteúdo e o plano de expressão das práticas, responsáveis pela construção de um sistema semissimbólico. Resultados: confirmou-se a valorização de uma estética da simplicidade de cores e
formas que converge para uma afirmação dos valores calma e bem-estar compatíveis com as práticas de mindfulness. Conclusão: a partir dessa análise, busca-se refletir sobre as
bases para o desenvolvimento de modelos comunicacionais relacionados à promoção da saúde em ambiente digital. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Demarzo MMP. Mindfulness e Promoção da Saúde. RESC. [Internet]. 2015;2(3):e82. [Acesso 15 julho 2017]. Disponível em: <http://saudenacomunidade.org/2015/03/03/resc2015-e82/>.

Niedenthal PM. Embodying emotion. Science. 2007 May 18;316(5827):1002–5. doi: 10.1126/science.1136930.

Kabat-Zinn J, Lipworth L, Burncy R, Sellers W. Four-year follow-up of a meditation-based program for the self-regulation of chronic pain: treatment outcomes and compliance. Clin J Pain. 1986; 2(3):1 59-774.?

Teasdale JD, Segal ZV, Williams JMG, Ridgeway VA, Soulsby JM, Lau MA. Prevention of relapse/recurrence in major depression by mindfulness-based cognitive therapy. J Consult Clin Psychol. 2000 Aug; 68(4):615. doi: 10.1037/0022-006x.68.4.615.

Morledge T, Allexandre D, Fox E, Fu AZ, Higashi MK, Kruzikas DT. Feasibility of an online mindfulness program for stress management—a randomized, controlled trial. Ann Behav Med. 2013 May;46:137-48. doi: 10.1007/s12160-013-9490-x.

Oliveira SRR, Gaspar DR, Oliveira GAR. A contribution from semiotics towards visual communication within the field of healthcare. Interface. (Botucatu) 2009;13(29):409-20. doi: 10.1590/S1414-32832009000200013.

Lévy P. Cibercultura. São Paulo (SP): Editora 34; 1999. 264 p.

Santaella L, Winfried N. Comunicação e Semiótica. São Paulo (SP): Hacker Editores; 2004. 248 p.

Eco U. A Theory of Semiotics. Bloomington (IN): Indiana University Press; 1976. 368 p.

Lara GMP. Imagem como objeto de ensino. Cad Semiótica Aplicada. (CASA) [Internet]. 2011 Jul;9(1):1-14. [Acesso 21 jan 2016]. Disponível em: <http://seer.fclar.unesp.br/casa/article/view/4423/3917>.

Greimas AJ, Courtés J. Dicionário de Semiótica. 2ed. São Paulo: Contexto; 2008. 544 p.

Baldan MLOG. Veridicção: um problema de verdade. Alfa. [Internet]. 1998; 32:47-52. [Acesso 15 jan 2015]. Disponível em: <https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/viewFile/3797/3505>.

Gomes R, Mancini R. Textos midiáticos: uma introdução à semiótica discursiva. Atas do IX FELIN [Internet]. 2007. [Acesso 23 set 2017]. Disponível em: <http://www.filologia.org.br/ixfelin/trabalhos/pdf/66.pdf>. ?

Fiorin JL. Sendas e veredas da semiótica narrativa e discursiva. Delta. 1999;15(1):177-207. doi:10.1590/S0102-44501999000100009.

Teixeira RR. Modelos comunicacionais e práticas de saúde. Interface. 1997; 1(1):7-40. doi.org/101590/S1414-32831997000200002.

Floch JM. Semiotica, marketing e comunicazione. Milano: Franco Angeli; 2002. 288 p.

Carvalho SR, Gastaldo D. Promoção à saúde e empoderamento: uma reflexão a partir das perspectivas crítico-social pós-estruturalista. Cien Saúde Coletiva. [Internet]. 2008;13(2):2029-40. [Acesso 15 out 2017]. Disponível em: .

Lopes IC. Entre expressão e conteúdo: movimentos de expansão e condensação. Itinerários [Internet]. 2003;20;65-75. [Acesso 15 jul 2017]. Disponível em: <https://periodicos.fclar.unesp.br/itinerarios/article/view/2672/2377>.

Floch JM. Identités visuelles. Paris: Presses Universitaires de France; 1995. 232 p.

Ceron M. Habilidades de comunicação: abordagem centrada na pessoa. Unasus-Unifesp. [Internet]. 2012 [Acesso 11 out 2017]. Disponível em: <http://www.iqg.com.br/uploads/biblioteca/Habilidades%20de%20Comunicacao.pdf>.

Ephratt M. The functions of silence. J Pragmat. 2007 Nov;40:1909-38. doi.org/10.1016/j.pragma.2008.03.009.

Willey N. O self semiótico. São Paulo: Edições Loyola; 1996. 254 p.

Lacan J, Fink B. Ecrits. New York: W. W. Norton; 2006. 878 p.

Publicado

2020-09-30

Como Citar

Martins, P. S. ., Tárcia, R. M. L., Pereira, D. R. M., Salvo, V. L. M. A. de, Silva, D. F. A. ., Hirayama, M. S., Oliveira, R. M. J. de, Paula, A. C. B. F. de ., Cebolla, A., Baños, R., Garcia-Campayo, J., & Demarzo, M. M. P. (2020). Mindfulness, promoção da saúde e semiótica: bases para modelos comunicacionais em saúde online. SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool E Drogas (Edição Em Português), 16(3), 14-22. https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.smad.2020.165507