Passagens

caminhos cruzados entre o cinema e a geografia brasileira

  • Lúcia Nagib University of Reading
Palavras-chave: Intermedialidade, Cinema brasileiro, Estudos de cinema

Resumo

A relação entre o cinema e o real é provavelmente a questão mais central e complexa nos estudos cinematográficos. Neste artigo, tentarei abordar esta questão por meio da análise de uma seleção de filmes em que dispositivos intermidiáticos, isso é, o emprego no interior do filme de formas artísticas como pintura, teatro e música, parecem funcionar como uma “passagem” para a realidade política e social. Para tanto, irei focalizar casos exemplares da produção de São Paulo e Pernambuco, representados por filmes de Beto Brant, Cláudio Assis, Tata Amaral, Paulo Caldas e Marcelo Luna, a fim de demonstrar os valores compartilhados por eles em determinado contexto histórico e os laços geográficos que estabeleceram através do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcia Nagib, University of Reading

Professor in Film at the University of Reading. Director of the Centre for Film Aesthetics and Cultures (CFAC – Centre for Film Aesthetics and Cultures). PI of the AHRC-FAPESP funded project, “Towards an Intermedial History of Brazilian Cinema: Exploring Intermediality as a Historiographic Method”.

Publicado
2018-12-20
Como Citar
NAGIB, L. Passagens. RuMoRes, v. 12, n. 24, p. 19-40, 20 dez. 2018.
Seção
Dossiê