Desenvolvimento de recurso de animação como suporte informativo na incontinência urinária

Autores

  • Patrícia Moreira Costa Collares Universidade de Fortaleza - UNIFOR
  • Milena Sampaio Magalhães Universidade de Fortaleza - UNIFOR
  • Fátima Luna Pinheiro Landim Universidade de Fortaleza - UNIFOR
  • Rafael Barreto de Mesquita Universidade Estadual de Londrina - UEL
  • Ana Karina Monte Cunha Marques Faculdades Nordeste - FANOR

Palavras-chave:

Incontinência Urinária, Mulheres, Imagem Tridimensional, Apoio Social

Resumo

Esta pesquisa buscou descrever as etapas do desenvolvimento de um recurso de animação como suporte informativo no tratamento da incontinência urinária, culturalmente adaptado em termos de linguagem, características e necessidades de mulheres idosas. Realizou- se estudo descritivo em serviço de atenção à saúde secundária. Subgrupo determinado entre março e abril de 2007. Levantou-se através de formulário, na primeira fase do trabalho, dados sobre variáveis sociodemográficas e antecedentes pessoais relacionados à perda urinária. Para a segunda fase utilizou-se a técnica de associação livre de palavras buscando conhecer o vocabulário empírico adotado pelas participantes para anatomia dos órgãos genitais e assoalho pélvico. Simultaneamente, trabalhou-se junto ao G 1000 para elaboração da tecnologia com imagens animadas e associadas às expressões culturais. Destacam-se 8 mulheres com história de incontinência urinária, destas 04 corresponderam ao subgrupo. A idade variou de 63 a 78 anos. Observou-se número elevado de gestações e de partos vaginais, o tempo de perda urinária variou de 1 a 8 anos, sendo que os episódios semanais aconteciam diariamente. Obteve-se uma diversidade de expressões que auxiliaram o processo de elaboração do recurso com o G1000. O recurso de animação poderá contribuir como estratégia de abordagem clínica na incontinência urinária pelo profissional de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brüggemann OM, Osis MJD, Parpinelli MA. Apoio no nascimento: percepçoes de profissionais e acompanhantes escolhidos pela mulher. Rev. Saúde Públ. 2007;41(1):44-52.

Resende MC, Cunha CPB, Silva AP, Souza SJ. Rede de relaçoes e satisfaçao com a vida em pessoas com amputaçao de membros. Cien Cogn. 2007;10(4):164-77.

Pinto JLG, Garcia ACO, Bocchi SCM, Carvalhaes MABL. Característica do apoio social oferecido a idoso na área rural assistida pelo PSF. Ciênc Saúde Coletiva. 2006;11(3):753-64.

Griep RH, Chor D, Faerstein E, Werneck GL, Lopes CS. Validade de constructo de escala de apoio social do Medical Outcomes Study adaptada para o português no Estudo Pró-Saúde. Cad Saúde Pública. 2005;21(3):703-14.

Landim FLP, Nations MK, Frota MA. Ética, solidariedade e redes sociais. In: Barroso GT, Vieira NFC, Varela ZMV. Educaçao em saúde: no contexto da promoçao humana. Fortaleza: Demócrito Rocha; 2003. p. 71-84.

Andrade GRB, Vaitsman J. Apoio social e redes: conectando solidariedade e saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2002;7(4):925-34.

Abrams P, Cardozo L, Khoury S, Wein A, editors. Incontinence: 2nd International Consultation on Incontinence. 2nd ed. Plymouth, England: Health Publication; 2002.

Freitas EV, Py L, Néri AL, Cançado FAX, Gorzoni ML, Rocha SM. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeçao da populaçao do Brasil por sexo e idade para o período 1980-2050: revisao 2004 [texto na Internet]. Brasília (DF): IBGE [cited 2006 Apr 23]. Available from: http://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_Projecoes_Populacao/Revisao_2004

Herrmann V, Potrick BA, Palma PCR, Zanettini CL, Marques A, Netto Júnior NR. Eletroestimulaçao transvaginal do assoalho pélvico no tratamento da incontinência urinária de esforço: avaliaçoes clínicas e ultra-sonográfica. Rev Assoc Med Bras. 2003;49(4):401-5.

Moreno AL. Fisioterapia em uroginecologia. Sao Paulo: Manole; 2004.

Souza ELBL. Fisioterapia aplicada à obstetrícia: aspectos de ginecologia e neonatologia. 3 ed. Rio de janeiro: MEDSI; 2002.

Organizaçao Pan-Americana da Saúde. Envelhecimento ativo: uma política de saúde [texto na Internet]. Brasília: OPAS. 2005 [cited 2007 Apr 30]. Available from: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/envelhecimento_ativo.pdf.

Camargos AF. Ginecologia ambulatorial. Belo Horizonte: Coopmed; 2001.

Grosse D, Sengler J. Reeducaçao perineal. Sao Paulo: Manole; 2002.

Feldner Júnior PC, Bezerra LRPS, Girao MJBC, Castro RA, Sartori MGF, Baracat EC, et al. Valor da queixa clínica e exame físico no diagnóstico da incontinência urinária. Rev Bras Ginecol Obstet. 2002;24(2):87-91.

Klüber L, Moriguchi EH, Cruz IBM. A influência da fisioterapia na qualidade de vida de mulheres com incontinência urinária: revisao. Rev Med PUCRS. 2002;12(3):243-49.

Almeida FG. Efeito da estimulaçao magnética perineal no tratamento da incontinência urinária da mulher [tese]. Sao Paulo: Universidade Federal de Sao Paulo; 2001.

Berek JS. Novak: tratado de ginecologia. 13 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005.

Nagib ABL, Guirro ECO, Palauro VA, Guirro RRJ. Avaliaçao da sinergia da musculatura abdomino-pélvica em nulíparas com eletromiografia e biofeedback perineal. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005;27(4):210-5.

Rey FG. Pesquisa qualitativa e subjetividade - os processos de construçao da informaçao. Sao Paulo: Thomson; 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Resoluçao CNS n. 196, de 10 de outubro de 1996. Aprova diretrizes e normas técnicas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da Uniao Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1996 Out 16.

Brasil. Ministério da Saúde. Estatuto do Idoso. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2003.

Guarisi T, Pinto Neto AM, Osis MJ, Pedro AO, Paiva LHC, Faúndes A. Incontinência urinária entre mulheres climatéricas brasileiras: inquérito domiciliar. Rev Saúde Pública. 2001;35(5):428-35.

World Health Organization. Obesity and overweight [text on the Internet]. Geneva: WHO [cited 2007 May 20]. Available from: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/en/index.html

Moreira ECH, Yasuda EK, Kimura FR. Tratamento cirúrgico e conservador da incontinência urinária de esforço. Fisioter Mov. 2001;13(2):9-14.

Tamanini JTN, Dambros M, D'ancona CAL, Palma PCR, Rodrigues NJN. Validaçao para o português do "International Consultation on Incontinence Questionnaire - Short Form" (ICIQ-SF). Rev Saúde Pública. 2004;38(3):438-44.

Cassel EJ. The healer's art. New York: J. P. Lippincott; 1976.

Cobb S. Presidential Address-1976. Social support as a moderator of life stress. Psychosom Med. 1976;38(5):300-14.

Tavares M. A leitura da imagem interativa. In: XXIV Congresso Brasileiro da Comunicaçao; 2001 Set 3-7; Campo Grande. Anais eletrônicos. Campo Grande: INTERCOM; 2001 [citado 2007 Maio 20]. Disponível em: http://hdl.handle.net/1904/4663.

Downloads

Publicado

2009-09-09

Edição

Seção

Artigo Original