Um estudo do processo expressivo de afásicos sob enfoque da psicologia junguiana

Autores

  • Paola Vieitas Vergueiro Universidade Paulista
  • Liliana Liviano Wahba Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Adriana Bastos Conforto Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
  • Maria Lucia Hage Masini Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Simone Freitas Fuso Universidade Presbiteriana Mackenzie

DOI:

https://doi.org/10.5935/0104-7795.20130021

Palavras-chave:

Acidente Vascular Cerebral, Afasia, Terapia pela Arte, Reabilitação, Psicologia

Resumo

Este artigo descreve uma pesquisa exploratória em que se aplica técnica expressiva plástica a afásicos de expressão, vítimas de acidente vascular cerebral isquêmico (AVCI) no hemisfério esquerdo. Objetivo: Investigar os resultados da intervenção realizando estudos de caso com base no método clínico e análise qualitativa, com enfoque teórico da psicologia junguiana. Método: Utiliza testes antes e depois da intervenção, como critério externo: a técnica projetiva HTP - House-Tree-Person, aponta mudanças de personalidade condizentes com as observadas no processo; o teste de percepção emocional International Affective Picture System - IAPS, e seu sistema de registro de respostas Self-Assessment Manikin - SAM, auxilia a lançar hipóteses sobre a transformação emocional dos participantes; o European Brain Injury Questionnaire - EBIQ, fornece substratos para discutir a transformação da visão dos sujeitos sobre seus próprios problemas. Mediante o método do Discurso do Sujeito Coletivo identifica etapas do processo expressivo com conteúdos comuns ao grupo atendido. Resultados: Os resultados dos estudos de caso, do DSC e dos instrumentos de avaliação revelam que, ao final, os participantes, sem exceção, mostraram-se fortalecidos, mais próximos da sua própria realidade e enriquecidos no contato consigo mesmos e com o mundo externo. Conclusão: Os instrumentos de avaliação o confirmam, assinalando o valor terapêutico da técnica proposta e sugerindo que esta forma de intervenção pode ser útil no processo de reabilitação de afásicos.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

Lefèvre F, Lefèvre AMC. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). Caxias do Sul: EDUSC; 2005.

Vasconcelos EM. Complexidade e pesquisa interdisciplinar: epistemologia e metodologia operativa. Petrópolis: Vozes; 2007.

Carvalho RC. Acidente vascular cerebral: atualizaçoes. In: Miotto EC, Lucia MCS, Scaff M, Neuropsicologia e as interfaces com as neurociências. Sao Paulo: Casa do Psicólogo; 2010. p. 99-106.

Pereira CH, Duarte GC, Santos EASS. Avaliaçao epidemiológica do traumatismo craniencefálico no interior do Estado de Sergipe. Arq Bras Neurocir. 2006;25(1):8-16.

Mansur LL, Radanovic M, Rüegg D, Zanotto de Mendonça LI, Scaff M. Descriptive study of 192 adults with speech and language disturbances. Sao Paulo Med J. 2002;120(6):170-4. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802002000600003

Galli JFM, Oliveira JP, Deliberato D. Introduçao da comunicaçao suplementar e alternativa na terapia com afásicos. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2009;14(3):402-10. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342009000300018

Tagliaferri F, Compagnone C, Korsic M, Servadei F, Kraus J. A systematic review of brain injury epidemiology in Europe. Acta Neurochir (Wien). 2006;148(3):255-68. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s00701-005-0651-y

CIF: Classificaçao Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Sao Paulo: Edusp; 2003.

Wahba LL. Plasticidade neuronal e recursos criativos na reabilitaçao. Junguiana. 2006;(24):57-65.

Hammer EF. Aplicaçoes clínicas dos desenhos projetivos. Sao Paulo: Casa do Psicólogo; 1989.

McKenna P, Haste E. Clinical effectiveness of drama-therapy in the recovery from neuro-trauma. Disabil Rehabil. 1999;21(4):162-74. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/096382899297774

Stuckey HL, Nobel J. The connection between art, healing, and public health: a review of current literature. Am J Public Health. 2010;100(2):254-63. DOI: http://dx.doi.org/10.2105/AJPH.2008.156497

Francisquetti AA. Arte-reabilitaçao com pacientes vítimas de dano cerebral. In: Ciornai S. Percursos em arteterapia: arteterapia e educaçao, arteterapia e saúde. Sao Paulo: Summus; 2005. p.261-77.

Vergueiro PV. Um estudo sob enfoque junguiano do processo expressivo de afásicos [Tese]. Sao Paulo: Pontifícia Universidade Católica de Sao Paulo; 2011.

Gordon WA, Zafonte R, Cicerone K, Cantor J, Brown M, Lombard L, et al. Traumatic brain injury rehabilitation: state of the science. Am J Phys Med Rehabil. 2006;85(4):343-82. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/01.phm.0000202106.01654.61

Bay E, Hagerty BM, Williams RA, Kirsch N, Gillespie B. Chronic stress, sense of belonging, and depression among survivors of traumatic brain injury. J Nurs Scholarsh. 2002;34(3):221-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/j.1547-5069.2002.00221.x

Terroni LMN, Leite CC, Tinone G, Fráguas Júnior R. Depressao pós-AVC: fatores de risco e terapêutica antidepressiva. Rev Assoc Med Bras.1992;49(4):450-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S010442302003000400040

Lefebvre H, Levert MJ. Breaking the news of traumatic brain injury and incapacities. Brain Inj. 2006;20(7):711-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/02699050600744244

Gil S, Caspi Y, Ben-Ari I, Klein E. Memory of the traumatic event as a risk factor for the development of PTSD: lessons from the study of traumatic brain injury. CNS Spectr. 2006;11(8):603-7.

Jorquera CGS. O impacto do traumatismo crânioencefálico para a família: um estudo de caso [Dissertaçao]. Sao Paulo: Pontifícia Universidade Católica de Sao Paulo; 2007.

Spanholi LE. Efeitos neuropsicológicos do traumatismo craniencefálico. Psychiatry on line Bras [periódico na Internet]. 2007 [citado 2010 Fev 13];12(8):[cerca de 3 p.]. Disponível em: http://www.polbr.med.br/ano07/art0807.php

Wilson B. Avanços recentes em reabilitaçao neuropsicológica. In: Miotto EC, Lucia MCS, Scaff M. Neuropsicologia e as interfaces com as neurociências. Sao Paulo: Casa do Psicólogo; 2010. p. 203-10.

Williams WH. Neuro-rehabilitation and cognitive behaviour therapy for emotional disorders in adquired brain injury. In: Wilson BA. Neuropsychological rehabilitation: theory and practice. Lisse: Swets & Zeitlinger; 2003. p.115-36.

Lussi IAO, Pereira MAO, Pereira Júnior A. A proposta de reabilitaçao psicossocial de Saraceno: um modelo de auto-organizaçao? Rev Latino-am Enfermagem. 2006;14(3):448-56. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692006000300021

Umphred DA. Reabilitaçao neurológica. Rio de Janeiro: Elsevier; 2009.

Jung CG. Relaçao da psicologia analítica com a obra de arte poética In: Jung CG. O espírito na arte e na ciência. Petrópolis: Vozes; 1987. p.54-72.

Cabral LS, Parente MAMP. Protocolo Montréal-Toulouse; Exame de Afasia. Modulo Standard Inicial. Versao Alpha. 1981.

Lang PJ, Bradley MM, Cuthbert BN. International Affective Picture System (IAPS): instruction manual and affective ratings. Technical Report A-4, Center for Research in Psychophysiology. Gainesville: University of Florida; 1999.

Bach S. Spontaneous Paintings of Severely III Patients. Acta Psychosomatica.1969;8:1-66.

Furth GM. O mundo secreto dos desenhos: uma abordagem junguiana da cura pela arte. 2 ed. Sao Paulo: Paulus; 2006.

Abt T. Introduction to picture interpretation according to CG Jung. Zurich: Living Human Heritage Publications; 2005.

Penna EMDP. Processamento simbólico-arquetípico: uma proposta de método de pesquisa em psicologia analítica [Tese]. Sao Paulo: Pontifícia Universidade Católica de Sao Paulo; 2009.

Bradley MM, Lang PJ. Measuring emotion: the Self -Assessment Manikin and the Semantic Differential. J Behav Ther Exp Psychiatry. 1994;25(1):49-59. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/0005-7916(94)90063-9

Santos ME, Sousa L, Castro-Caldas A. Avaliaçao da experiência subjectiva em pessoas com lesao cerebral: adaptaçao para a populaçao portuguesa do European Brain Injury Questionnaire (EBIQ). Aná Psicológica. 2001;19(2):219-36.

Silva MCVM. Técnicas projetivas gráficas e desenho infantil. In: Villemor-Amaral, AE, Werlang BSG. Atualizaçoes em métodos projetivos para avaliaçao psicológica. Sao Paulo: Casa do Psicólogo; 2011. p. 195-203.

Fensterseifer L, Werlang BSG. Apontamentos sobre o status científico das técnicas projetivas. In: Villemor-Amaral AE, Werlang BG. Atualizaçoes em métodos projetivos para avaliaçao psicológica. Sao Paulo: Casa do Psicólogo; 2011. p. 15-33.

Trinca W. Investigaçao clínica da personalidade: o desenho livre como estímulo de apercepçao temática. Belo Horizonte: Interlivros; 1976.

Petrella L, McColl MA, Krupa T, Johnston J. Returning to productive activities: Perspectives of individuals with long-standing acquired brain injuries. Brain Inj. 2005;19(9):643-55. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/02699050410001671874

Aichner F, Adelwöhrer C, Haring HP. Rehabilitation approaches to stroke. J Neural Transm Suppl. 2002;(63):59-73.

LaFrance C, Garcia LJ, Labreche J. The effect of a therapy dog on the communication skills of an adult with aphasia. J Commun Disord. 2007;40(3):215-24. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jcomdis.2006.06.010

Downloads

Publicado

2013-09-09

Edição

Seção

Artigo Original

Como Citar

1.
Vergueiro PV, Wahba LL, Conforto AB, Masini MLH, Fuso SF. Um estudo do processo expressivo de afásicos sob enfoque da psicologia junguiana. Acta Fisiátr. [Internet]. 9º de setembro de 2013 [citado 21º de julho de 2024];20(3):129-37. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/103780