Benefícios da marcha com assistência robótica na lesão medular: uma revisão sistemática

Autores

  • Francine Bertolais do Valle Souza Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
  • Pedro Cláudio Gonsales de Castro Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
  • Denise Vianna Machado Ayres Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
  • Maria Cecilia dos Santos Moreira Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
  • Linamara Rizzo Battistella Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina https://orcid.org/0000-0001-5275-0733

DOI:

https://doi.org/10.5935/0104-7795.20130023

Palavras-chave:

Traumatismos da Medula Espinal, Marcha, Robótica, Reabilitação

Resumo

Objetivo: Avaliar a qualidade atual de evidências quanto à eficácia da marcha robótica com suspensão de peso corporal em indivíduos com lesão medular, com ênfase no desempenho da marcha. Método: O levantamento bibliográfico foi realizado nas bases PubMed, LILACS e EMBASE referentes às publicações de ensaios clínicos dos últimos doze anos (2000-2012), utilizando-se a relação entre as palavras chave Spinal cord injury AND ( gait OR walking OR deambulation) reahbilitation AND robotic AND ( lokomat OR ReoAmbulator OR Formador Gait). Resultados: Dos oito estudos selecionados, apenas um não observou melhora no padrão de desempenho da marcha. Dos estudos que encontraram melhora, 6 encontraram melhora estatisticamente significativa e um não encontraram nenhuma diferença significativa, apesar de uma tendência de melhora ter sido observada. As conclusões destes estudos foram obtidas por meio de ferramentas de avaliação como o teste de caminhada de 6 minutos e de 10 metros, MIF (medida de independência funcional, WISCI II (Índice de caminhada de Lesão Medular), entre outros. Alguns estudos apontam uma diminuição na necessidade de órteses e dispositivos auxiliares nesse grupo. Quanto à qualidade metodológica, seis artigos apresentaram escores inferiores a 3 pontos e apenas um artigo teve a pontuação máxima de 5 na escala JADAD (baixa qualidade pontuação inferior a 3) Implicação/Impacto na reabilitação. Conclusão: Apesar da pequena quantidade de artigos encontrados, baixa qualidade metodológica e o fato desta ser uma intervenção nova e de alto custo, os resultados são significativos quando comparados com a terapia física convencional e outras técnicas bem estabelecidas na fisioterapia.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

Houldin A, Luttin K, Lam T. Locomotor adaptations and aftereffects to resistance during walking in individuals with spinal cord injury. J Neurophysiol. 2011;106(1):247-58. DOI: http://dx.doi.org/10.1152/jn.00753.2010

Alcobendas-Maestro M, Esclarín-Ruz A, Casado-López RM, Muñoz-González A, Pérez-Mateos G, González-Valdizán E, et al. Lokomat robotic-assisted versus overground training within 3 to 6 months of incomplete spinal cord lesion: randomized controlled trial. Neurorehabil Neural Repair. 2012;26(9):1058-63. DOI: http://dx.doi.org/10.1177/1545968312448232

Mehrholz J, Kugler J, Pohl M. Locomotor training for walking after spinal cord injury. Spine (Phila Pa 1976). 2008;33(21):E768-77. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/BRS.0b013e3181849747

Swinnen E, Duerinck S, Baeyens JP, Meeusen R, Kerckhofs E. Effectiveness of robot-assisted gait training in persons with spinal cord injury: a systematic review. J Rehabil Med. 2010;42(6):520-6.

Duschau-Wicke A, Caprez A, Riener R. Patient-cooperative control increases active participation of individuals with SCI during robot-aided gait training. J Neuroeng Rehabil. 2010;7:43. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1743-0003-7-43

Hidler JM, Wall AE. Alterations in muscle activation patterns during robotic-assisted walking. Clin Biomech (Bristol, Avon). 2005;20(2):184-93. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.clinbiomech.2004.09.016

Schmidt H, Werner C, Bernhardt R, Hesse S, Krüger J. Gait rehabilitation machines based on programmable footplates. J Neuroeng Rehabil. 2007;4:2. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1743-0003-4-2

Field-Fote EC, Lindley SD, Sherman AL. Locomotor training approaches for individuals with spinal cord injury: a preliminary report of walking-related outcomes. J Neurol Phys Ther. 2005;29(3):127-37. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/01.NPT.0000282245.31158.09

Jadad AR, Moore RA, Carroll D, Jenkinson C, Reynolds DJ, Gavaghan DJ, McQuay HJ. Assessing the quality of reports of randomized clinical trials: is blinding necessary? Control Clin Trials. 1996;17(1):1-12. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/0197-2456(95)00134-4

Field-Fote EC, Roach KE. Influence of a locomotor training approach on walking speed and distance in people with chronic spinal cord injury: a randomized clinical trial. Phys Ther. 2011;91(1):48-60. DOI: http://dx.doi.org/10.2522/ptj.20090359

Galen SS, Clarke CJ, Allan DB, Conway BA. A portable gait assessment tool to record temporal gait parameters in SCI. Med Eng Phys. 2011;33(5):626-32. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.medengphy.2011.01.003

Schwartz I, Sajina A, Neeb M, Fisher I, Katz-Luerer M, Meiner Z. Locomotor training using a robotic device in patients with subacute spinal cord injury. Spinal Cord. 2011;49(10):1062-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1038/sc.2011.59

Jezernik S, Schärer R, Colombo G, Morari M. Adaptive robotic rehabilitation of locomotion: a clinical study in spinally injured individuals. Spinal Cord. 2003;41(12):657-66. DOI: http://dx.doi.org/10.1038/sj.sc.3101518

Dittuno PL, Ditunno JF Jr. Walking index for spinal cord injury (WISCI II): scale revision. Spinal Cord. 2001;39(12):654-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1038/sj.sc.3101223

Downloads

Publicado

2013-09-09

Edição

Seção

Artigo de Revisão

Como Citar

1.
Souza FB do V, Castro PCG de, Ayres DVM, Moreira MC dos S, Battistella LR. Benefícios da marcha com assistência robótica na lesão medular: uma revisão sistemática. Acta Fisiátr. [Internet]. 9º de setembro de 2013 [citado 21º de julho de 2024];20(3):142-6. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/103783