Associação entre desempenho funcional de crianças com paralisia cerebral e tempo de espera pela provisão de órteses em serviço de reabilitação

Autores

  • Kyara Gioordane dos Santos Costa Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Fabiana Caetano Martins Silva e Dutra Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Sávio da Silva Moraes Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Alberto Luiz Aramaki Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Maíra Ferreira do Amaral Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Alessandra Cavalcanti Universidade Federal do Triângulo Mineiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v30i4a168658

Palavras-chave:

Paralisia Cerebral, Contenções, Tecnologia Assistiva, Desempenho Físico Funcional, Reabilitação, Criança

Resumo

Crianças com paralisia cerebral usualmente necessitam de órtese no polegar para função manual. Objetivo: Analisar a associação entre tempo de espera para recebimento de órtese para polegar, habilidade manual e dificuldade de desempenho em atividades cotidianas de crianças com paralisia cerebral. Método: Estudo de métodos mistos, com uma coorte retrospectiva e avaliação transversal de crianças com paralisia cerebral e indicação de confecção de órtese para polegar. Foram coletadas informações socioeconômicas, mensuração das dificuldades para realizar atividades do cotidiano, função manual pelo Sistema de Classificação da Habilidade Manual (MACS) e tempo de espera pela órtese. Análises descritivas, coeficiente de correlação de Spearman e Teste Kruskal Wallis foram realizadas no software IBM SPSS®. Resultados: 17 crianças e seus pais/responsáveis foram avaliados, sendo a maioria menino (76,5%), com paralisia cerebral do tipo hemiparética (52,9%). O tempo médio de espera pela órtese foi 34,12 dias (DP= 39,01). Crianças com comprometimento motor mais severo (p= 0,038) e pior habilidade manual (p= 0,012) receberam órtese em menor tempo de espera. Não houve diferença estatística entre tempo de espera pela órtese e dificuldade para desempenhar atividades cotidianas. Conclusão: A correlação entre habilidade manual e tempo de espera reforça a importância da avaliação funcional para priorizar concessão de um dispositivo de Tecnologia Assistiva em um serviço público de reabilitação, direcionando o cuidado às necessidades mais específicas das crianças.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

Vogtle LK. Upper extremity intervention in cerebral palsy: a neurodevelopmental approach. In: Henderson A, Pehoski C, editors. Hand function in the child. Foundations for remediation. St. Louis: Mosby; 2006. p. 343-365.

Zerbinato L, Makita LM, Zerloti P. Paralisia cerebral. In: Teixeira E, Sauron FN, Santos LSB, Oliveira MC. Terapia Ocupacional na Reabilitação Física. São Paulo: Roca; 2003. p. 503-534.

American Occupational Therapy Association (AOTA). Occupational Therapy Practice Framework: Domain and Process (3rd Edition). Am J Occup Ther. 2014;68(Supplement_1):S1–S48. Doi: https://doi.org/10.5014/ajot.2014.682006

Rodrigues AMVN, Mancini MC, Vaz DV, Silva LC. Uso de órtese para abdução do polegar no desempenho funcional de criança portadora de paralisia cerebral: estudo de caso único. Rev Bras Saude Mater Infant. 2007; 7(4):423-36. Doi: https://doi.org/10.1590/S1519-38292007000400010

Henderson A. Self-care and hand skill. In: Henderson A, Pehoski C, editors. Hand function in the child. Foundations for remediation. St. Louis: Mosby; 2006. p. 193-216.

Sauron FN. Órteses para membros superiores. In: Teixeira E, Sauron FN, Santos LSB, Oliveira MC. Terapia Ocupacional na Reabilitação Física. São Paulo: Roca; 2003. p. 265-312.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia para Prescrição, Conces-são, Adaptação e Manutenção de Órteses, Próteses e Meios Auxiliares de Locomoção. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2019.

Fess EE, Philips CA, Genttle KS, Janson JR. Hand and upper extremity splinting. Principles & Methods. Philadelphia: Mosby; 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 116, de 09 de setembro de 1993. Inclui no Sistema de Informações Ambulatoriais do Sistema Único de Saúde - SIA/SUS a concessão dos equipamentos de órteses, próteses e bolsas de colostomia. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1993 Set 15; Seção 1: 137.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.848, de 06 de no-vembro de 2007. Publica a Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais - OPM do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2007 Nov 6; Seção I: 54.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.272, de 25 de junho de 2013. Inclui procedimentos de cadeiras de rodas e adaptação postural em cadeira de rodas na tabela de procedimentos, medicamentos, órteses, próteses e materiais especiais (OPM) do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2013 Jun 26; Seção I: 56.

Vaz D, Jubilini L, Queiroz L. Prática centrada no cliente na reabilitação: definição, instrumentos e desafios. Rev Ter Ocup Univ Sao Paulo. 2017;28(1):122-7. Doi: https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v28i1p122-127

Kokorelias KM, Gignac MAM, Naglie G, Cameron JI. Towards a universal model of family centered care: a scoping review. BMC Health Serv Res. 2019;19(1):564. Doi: https://doi.org/10.1186/s12913-019-4394-5

World Health Organization (WHO). Wheelchair service training package: basic level. Geneva: WHO; 2012.

Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul. Manual operativo para dispensação de órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção do estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: SSE/RS; 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades e Estados do Brasil [texto na Internet]. Rio de Janeiro: IBGE [citado 2020 Mar 30]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/

Pires AOM, Ferreira MBG, Nascimento KG, Felix MMS, Pires OS, Barbosa MH. Elaboração e validação de lista de verificação de segurança na prescrição de medicamentos. Rev Latino-Am. Enfermagem. 2017;25:e2921. Doi: https://doi.org/10.1590/1518-8345.1817.2921

Manual Ability Classification System. Sistema de Classifica-ção da Habilidade Manual para crianças com paralisia cerebral 4-18 anos [texto na Internet]. Ribeirão Preto: FMRP-USP; [citado 2019 Out 25]. Disponível em: https://macs.nu/files/MACS_Portuguese-Brazil_2010.pdf

Eliasson AC, Krumlinde-Sundholm L. Mini-Manual Ability Classification System for children with cerebral palsy 1 - 4 years of age [cited 2019 out 25]. Available from: https://macs.nu/files/Mini-MACS_English_2016.pdf

Eliasson AC, Krumlinde-Sundholm L, Rösblad B, Beckung E, Arner M, Ohrvall AM, et al. The Manual Ability Classification System (MACS) for children with cerebral palsy: scale development and evidence of validity and reliability. Dev Med Child Neurol. 2006;48(7):549-54. Doi: https://doi.org/10.1017/S0012162206001162

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP). Critério de Classificação Econômica Brasil. São Paulo: ABEP; 2019.

Pfeifer LI, Silva DB, Funayama CA, Santos JL. Classification of cerebral palsy: association between gender, age, motor type, topography and Gross Motor Function. Arq Neurop-siquiatr. 2009;67(4):1057-61. Doi: 10.1590/s0004-282x2009000600018

Lemos ACO, Katz CRT. Condições de saúde bucal e acesso ao tratamento odontológico de pacientes com paralisia cerebral atendidos em um centro de referência do nordeste – Brasil. Rev CEFAC. 2012;14(5):861-71. Doi: https://doi.org/10.1590/S1516-18462012005000045

Van Naarden Braun K, Doernberg N, Schieve L, Christensen D, Goodman A, Yeargin-Allsopp M. Birth prevalence of cerebral palsy: a population-based study. Pediatrics. 2016;137(1):1-9. Doi: https://doi.org/10.1542/peds.2015-2872

Pakula AT, Van Naarden Braun K, Yeargin-Allsopp M. Cerebral palsy: classification and epidemiology. Phys Med Rehabil Clin N Am. 2009;20(3):425-52. Doi: https://doi.org/10.1016/j.pmr.2009.06.001

Raina SK, Razdan S, Nanda R. Prevalence of cerebral palsy in children < 10 years of age in R.S. Pura town of Jammu and Kashmir. J Trop Pediatr. 2011;57(4):293-5. Doi: https://doi.org/10.1093/tropej/fmq095

Brandão MB, Oliveira RH, Mancini MC. Functional priorities reported by parents of children with cerebral palsy: contribution to the pediatric rehabilitation process. Braz J Phys Ther. 2014;18(6):563-71. Doi: https://doi.org/10.1590/bjpt-rbf.2014.0064

Jackman M, Novak I, Lannin N, Galea C. Immediate effect of a functional wrist orthosis for children with cerebral palsy or brain injury: A randomized controlled trial. J Hand Ther. 2019;32(1):10-16. Doi: https://doi.org/10.1016/j.jht.2017.09.006

Barret L, Kielhofner G. Teorias derivadas da perspectiva do comportamento ocupacional. In: Neistadt ME, Crepeau BE. Willard & Spackman - Terapia Ocupacional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1998. p. 525-527.

Sköld A, Josephsson S, Eliasson AC. Performing bimanual activities: the experiences of young persons with hemiplegic cerebral palsy. Am J Occup Ther. 2004;58(4):416-25. Doi: https://doi.org/10.5014/ajot.58.4.416

Keklicek H, Uygur F, Yakut Y. Effects of taping the hand in children with cerebral palsy. J Hand Ther. 2015;28(1):27-32. Doi: https://doi.org/10.1016/j.jht.2014.09.007

Cruz DMC. Papéis ocupacionais e pessoas com deficiências físicas: independência, tecnologia assistiva e poder aquisitivo [Tese]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 2012.

Caro CC, Faria PSP, Bombarda TB, Ferrigno ISV, Palhares MS. A dispensação de órteses, próteses e meios auxiliaries de locomoção (OPM) no Departamento Regional de Saúde da 3ª Região do Estado de São Paulo. Cad Ter Ocup UFSCar. 2014;22(3):521-29. Doi: https://doi.org/10.4322/cto.2014.073

Organização Mundial da Saúde. Lista de Produtos Assistivos Prioritários. Geneva: Organização Mundial da Saúde; 2017. [citado 2020 jan 12]. Disponível em: https://iris.who.int/bitstream/handle/10665/207694/WHO-EMP-PHI-2016.01-por.pdf?isAllowed=y&sequence=14

Chen JJ, Yang RK. The future of UIHC Rehabilitation Services: defining and measuring quality rehabilitation services. Iowa Orthop J. 2009;29:139-42.

Klevberg GL, Elvrum AG, Zucknick M, Elkjaer S, Østensjø S, Krumlinde-Sundholm L, Kjeken I, Jahnsen R. Development of bimanual performance in young children with cerebral palsy. Dev Med Child Neurol. 2018;60(5):490-7. Doi: https://doi.org/10.1111/dmcn.13680

Downloads

Publicado

2023-12-31

Edição

Seção

Artigo Original

Como Citar

1.
Costa KG dos S, Silva e Dutra FCM, Moraes S da S, Aramaki AL, Amaral MF do, Cavalcanti A. Associação entre desempenho funcional de crianças com paralisia cerebral e tempo de espera pela provisão de órteses em serviço de reabilitação. Acta Fisiátr. [Internet]. 31º de dezembro de 2023 [citado 18º de julho de 2024];30(4):260-6. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/168658