Avaliação da vulnerabilidade clínico-funcional de idosos frágeis após programa de exercícios

Autores

  • Anisia Gabriela Maturano Rodrigues Faculdades Santo Agostinho
  • Ana Laura Becheleni da Cruz Faculdades Santo Agostinho
  • Renata Ribeiro Durães Faculdades Santo Agostinho
  • Keilla Silva Mendes Durães Universidade Estadual de Montes Claros
  • Ely Carlos Pereira de Jesus Universidade Estadual de Montes Claros
  • Luciana Colares Maia Universidade Estadual de Montes Claros
  • Rodolpho Cesar dos Reis Tinini Universidade Federal de Minas Gerais
  • Ana Carolina de Mello Alves Rodrigues Faculdades Santo Agostinho https://orcid.org/0000-0002-1722-1737

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v29i4a196063

Palavras-chave:

Fragilidade, Exercício Físico, Atividade Motora, Idoso

Resumo

O envelhecimento promove mudanças na autonomia e dependência dos idosos que associado a fatores adversos pode levar o indivíduo a um estado de fragilidade. Entretanto, a prática de exercícios físicos tem mostrado efeitos positivos na funcionalidade que pode contribuir na diminuição do risco de vulnerabilidade do idoso frágil. Objetivo: Avaliar o efeito dos exercícios nos domínios avaliados pelo Índice de Vulnerabilidade Clinico-funcional (IVCF-20) em idosos frágeis. Método: Cinquenta e seis idosos frágeis de ambos os sexos, atendidos no Centro de Referência em Assistência à Saúde do Idoso - Eny Faria De Oliveira – CRASI, foram avaliados por meio do IVCF-20 antes e depois de 10 sessões de fisioterapia. Os 8 domínios que compõem o IVCF-20 foram analisados individualmente. O Teste de Friedman foi utilizado para comparação pré e pós-reabilitação intragrupo. Resultados: Foram observadas diferenças significativas nos domínios de atividades de vida diária, cognição, humor, mobilidade e comunicação pós-treinamento (p<0,01) no grupo feminino e masculino. Conclusão: Programas de exercícios podem contribuir na melhora da mobilidade, cognição e funcionalidade dos idosos frágeis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lourenço RA, Moreira VG, Mello RGB, Santos IS, Lin SM, Pinto ALF, et al. Consenso brasileiro de fragilidade em idosos: conceitos, epidemiologia e instrumentos de avaliação. Geriatr Gerontol Aging. 2018;12(2):121-35. Doi: https://doi.org/10.5327/Z2447-211520181800023

Pillat AP, Nielsson J, Schneider RH. Effects of physical exercise in frail older adults: a systematic review. Fisioter Pesqui. 2019;26(2):225-32. Doi: https://doi.org/10.1590/1809-2950/18004826022019

Fried LP, Tangen CM, Walston J, Newman AB, Hirsch C, Gottdiener J, et al. Frailty in older adults: evidence for a phenotype. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2001;56(3):M146-56. Doi: https://doi.org/10.1093/gerona/56.3.m146

Lacas A, Rockwood K. Frailty in primary care: a review of its conceptualization and implications for practice. BMC Med. 2012;10:4. Doi: https://doi.org/10.1186/1741-7015-10-4

Moraes EN, Carmo JA, Moraes FL, Azevedo RS, Machado CJ, Montilla DE. Índice de Vulnerabilidade Clínico Funcional-20 (IVCF-20): reconhecimento rápido do idoso frágil. Rev Saude Publica. 2016;50:81. Doi: https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2016050006963

Moraes EN, Carmo JA, Machado CJ, Moraes FL. Indice de Vulnerabilidade Clínico-Funcional-20: proposta de classificação e hierarquização entre os idosos identificados como frágeis. Rev Fac Ciênc Méd Sorocaba. 2020;22(1):31-5. Doi: https://doi.org/10.23925/1984-4840.2020v22i1a7

Minas Gerais. Secretaria de Estado de Saúde. Resolução n. 2.603, de 07 de dezembro de 2010. Dispõe sobre o Programa Mais Vida – Rede de Atenção à Saúde do Idoso de Minas Gerais, e dá outras providências. Belo Horizonte: SES; 2010.

Carneiro JA, Gomes CAD, Durães W, Jesus DR, Chaves KLL, Lima CA, et al. Negative self-perception of health: prevalence and associated factors among elderly assisted in a reference center. Cien Saude Colet. 2020;25(3):909-18. Doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232020253.16402018

Aveiro MC, Aciole GG, Driusso P, Oishi J. Perspectivas da participação do fisioterapeuta no Programa Saúde da Família na atenção à saúde do idoso. Cien Saude Colet. 2011;16 Suppl 1:1467-78. Doi: https://doi.org/10.1590/s1413-81232011000700082

Labra C, Guimaraes-Pinheiro C, Maseda A, Lorenzo T, Millán-Calenti JC. Effects of physical exercise interventions in frail older adults: a systematic review of randomized controlled trials. BMC Geriatr. 2015;15:154. Doi: https://doi.org/10.1186/s12877-015-0155-4

Aguirre LE, Villareal DT. Physical exercise as therapy for frailty. In: Fielding RA, Sieber C, Vellas B (eds): Frailty: Pathophysiology, Phenotype and Patient Care. Nestle Nutr Inst Workshop Ser. 2014;83:83-92. Doi: https://doi.org/10.1159/000382065

Matta Mello Portugal E, Cevada T, Sobral Monteiro-Junior R, Teixeira Guimarães T, Cruz Rubini E, Lattari E, et al. Neuroscience of exercise: from neurobiology mechanisms to mental health. Neuropsychobiology. 2013;68(1):1-14. Doi: https://doi.org/10.1159/000350946

American College of Sports Medicine. ACSM's Guidelines for exercise testing and prescription. 9th ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2014.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies. Brasília: ANVISA; 2010.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Nota Técnica n. 04/2020 – Orientações para serviços de saúde: medidas de prevenção e controle que devem ser adotadas durante a assistência aos casos suspeitos ou confirmados de infecção pelo novo Coronavírus (SARS-CoV-2). Brasília: ANVISA; 2020.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Nota Técnica n. 34/2020 – Dispõe sobre as medidas sanitárias a serem adotadas em pontos de entrada, frente aos casos do novo coronavírus SARS-CoV-2 (COVID-19). Brasília: ANVISA; 2020.

Maia LC, Colares TFB, Morais EN, Costa SM, Calderira AP. Impacto do apoio matricial a idosos na atenção primária: ensaio comunitário randomizado. Rev Saúde Pública. 2021;55:10. Doi. https://doi.org/10.11606/s15188787.2021055002685

Dent E, Kowal P, Hoogendijk EO. Frailty measurement in research and clinical practice: A review. Eur J Intern Med. 2016;31:3-10. Doi: https://doi.org/10.1016/j.ejim.2016.03.007

Brigola AG, Ottaviani AC, Carvalho DHT, Oliveira NA, Souza ÉN, Pavarini SCI. Association between cognitive impairment and criteria for frailty syndrome among older adults. Arq Neuropsiquiatr. 2020;78(1):2-8. Doi: https://doi.org/10.1590/0004-282X20190138

Giacomini SBL, Fhon JR, Rodrigues RAP. Frailty and risk of falling in the older adult living at home. Acta Paul Enferm. 2020;33:1-8. Doi: https://doi.org/10.37689/acta-ape/2020AO0124

Downloads

Publicado

2022-12-28

Como Citar

1.
Rodrigues AGM, Cruz ALB da, Ribeiro Durães R, Durães KSM, Jesus ECP de, Maia LC, Tinini RC dos R, Rodrigues AC de MA. Avaliação da vulnerabilidade clínico-funcional de idosos frágeis após programa de exercícios. Acta Fisiátr. [Internet]. 28 de dezembro de 2022 [citado 26 de fevereiro de 2024];29(4):276-81. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/196063

Edição

Seção

Artigo Original
MÉTRICAS | METRICS