Resultados da imaginação motora no fortalecimento muscular em membro inferior de uma pessoa com sequela pós acidente vascular cerebral: estudo de caso

Autores

  • Cristiane Gonçalves Mota Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • Erica de Castro Leite Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • Fernanda Maria Martins Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • Andre Tadeu Sugawara Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v30i4a219033

Palavras-chave:

Acidente Vascular Cerebral, Hemiplegia, Treinamento de Força, Extremidade Inferior, Reabilitação

Resumo

A Imaginação Motora (IM) é a representação mental de um ato motor sem a execução real do movimento, e ativa as mesmas áreas cerebrais do movimento real, mesmo na presença de paralisia, perda de membro ou visão, podendo ser utilizado no processo de conservação e estimulação de engramas cerebrais no processo de recuperação motora de um membro paralisado. Método: Homem, 34 anos, hemiplegia direita pós Acidente Vascular Cerebral (AVC) isquêmico. Realizou exercícios com profissional de Educação Física, duas vezes/semana, 50 minutos/sessão, durante 19 semanas, além do programa convencional de reabilitação multidisciplinar. A intervenção baseou-se na IM para flexão e extensão do joelho do lado paralisado, seguida da tentativa do mesmo movimento ativo. Resultados: Amplitude de movimento ativa (ADM_A) dos flexores do joelho direito iniciou em 217° com carga mínima do equipamento (5 kg). Em seguida, o profissional solicitava ao paciente que imaginasse que estava realizando o movimento e depois tentasse realizá-lo. Após 19 semanas, a ADM_A foi de 112°. Conclusão: Ganhos em ADM_A de 8,48° para a flexão de joelho do hemicorpo paralisado representa uma diferença mínima clinicamente importante em pacientes pós-AVC. A IM aumenta a demanda cognitiva nas áreas motoras cerebrais, aumentando a plasticidade, resultando em ganhos motores que impactam no prognóstico de capacidade e funcionalidade, justificando seu uso como método de treinamento na recuperação pós-AVC. A IM associada ao treinamento de força na reabilitação contribui para a recuperação de sequelas pós-AVC.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

Sacco RL, Kasner SE, Broderick JP, Caplan LR, Connors JJ, Culebras A, et al. An updated definition of stroke for the 21st century: a statement for healthcare professionals from the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke. 2013;44(7):2064-89. Doi: https://doi.org/10.1161/STR.0b013e318296aeca

Chauhan G, Debette S. Genetic risk factors for ischemic and hemorrhagic stroke. Curr Cardiol Rep. 2016;18(12):124. Doi: https://doi.org/10.1007/s11886-016-0804-z

An SJ, Kim TJ, Yoon BW. Epidemiology, risk factors, and clinical features of intracerebral hemorrhage: an update. J Stroke. 2017;19(1):3-10. Doi: https://doi.org/10.5853/jos.2016.00864

Wang F, Zhang S, Zhou F, Zhao M, Zhao H. Early physical rehabilitation therapy between 24 and 48 h following acute ischemic stroke onset: a randomized controlled trial. Disabil Rehabil. 2022;44(15):3967-3972. Doi: https://doi.org/10.1080/09638288.2021.1897168

Jørgensen JR, Bech-Pedersen DT, Zeeman P, Sørensen J, Andersen LL, Schönberger M. Effect of intensive outpatient physical training on gait performance and cardiovascular health in people with hemiparesis after stroke. Phys Ther. 2010;90(4):527-37. Doi: https://doi.org/10.2522/ptj.20080404

Lamberti N, Straudi S, Malagoni AM, Argirò M, Felisatti M, Nardini E, et al. Effects of low-intensity endurance and resistance training on mobility in chronic stroke survivors: a pilot randomized controlled study. Eur J Phys Rehabil Med. 2017;53(2):228-39. Doi: https://doi.org/10.23736/S1973-9087.16.04322-7

Lund C, Dalgas U, Grønborg TK, Andersen H, Severinsen K, Riemenschneider M, et al. Balance and walking performance are improved after resistance and aerobic training in persons with chronic stroke. Disabil Rehabil. 2018;40(20):2408-2415. Doi: https://doi.org/10.1080/09638288.2017.1336646

Ferreira Dias Kanthack T, Guillot A, Blache Y, Di Rienzo F. Revisiting the acute effects of resistance exercise on motor imagery ability. Behav Brain Res. 2021;412:113441. Doi: https://doi.org/10.1016/j.bbr.2021.113441

Pereira MIR, Gomes PSC. Testes de força e resistência muscular: confiabilidade e predição de uma repetição máxima – Revisão e novas evidências. Rev Bras Med Esp. 2003;9(5):325-35. Doi: https://doi.org/10.1590/S1517-86922003000500007

Fernandez-Gonzalo R, Fernandez-Gonzalo S, Turon M, Prieto C, Tesch PA, García-Carreira Mdel C. Muscle, functional and cognitive adaptations after flywheel resistance training in stroke patients: a pilot randomized controlled trial. J Neuroeng Rehabil. 2016;13:37. Doi: https://doi.org/10.1186/s12984-016-0144-7

Aidar FJ, Oliveira RJ, Matos DG, Mazini Filho ML, Moreira OC, Oliveira CE, et al. A Randomized Trial Investigating the Influence of Strength Training on Quality of Life in Ischemic Stroke. Top Stroke Rehabil. 2016;23(2):84-9. Doi: https://doi.org/10.1080/10749357.2015.1110307

Shao C, Wang Y, Gou H, Xiao H, Chen T. Strength training of the nonhemiplegic side promotes motor function recovery in patients with stroke: a randomized controlled trial. Arch Phys Med Rehabil. 2023;104(2):188-194. Doi: https://doi.org/10.1016/j.apmr.2022.09.012

Hendrey G, Clark RA, Holland AE, Mentiplay BF, Davis C, Windfeld-Lund C, et al. Feasibility of ballistic strength training in subacute stroke: a randomized, controlled, assessor-blinded pilot study. Arch Phys Med Rehabil. 2018;99(12):2430-2446. Doi: https://doi.org/10.1016/j.apmr.2018.04.032

Guzik A, Drużbicki M, Wolan-Nieroda A, Turolla A, Kiper P. Estimating minimal clinically important differences for knee range of motion after stroke. J Clin Med. 2020;9(10):3305. Doi: https://doi.org/10.3390/jcm9103305

Carraro ERO, Frazão ACD, Soares KVBC, Silva VF. Estimulação cerebral por sintetização fótica e auditiva associada à imagética e massoterapia: minimização de dor em mulheres portadoras de fibromialgia. Motriz. 2010;16(2):359-69. Doi: https://doi.org/10.5016/1980-6574.2010v16n2p359

Downloads

Publicado

2023-12-31

Edição

Seção

Relato de Caso

Como Citar

1.
Mota CG, de Castro Leite E, Martins FM, Sugawara AT. Resultados da imaginação motora no fortalecimento muscular em membro inferior de uma pessoa com sequela pós acidente vascular cerebral: estudo de caso. Acta Fisiátr. [Internet]. 31º de dezembro de 2023 [citado 20º de julho de 2024];30(4):267-70. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/219033