Combinação de terapia por ondas de choque extracorpórea e agulhamento seco no tratamento de lombalgia crônica incapacitante: um relato de caso

Autores

  • Renata Takeyama de Oliveira Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • Guilherme Yuiti Sikusawa Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • Ana Carolyne Silva de Jesus Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • Sabrina Saemy Tome Uchiyama Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • Helena Hideko Seguchi Kaziyama Instituto de Ortopedia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • Tatiane Assone dos Santos Departamento de Medicina Legal, Bioética, Medicina do Trabalho e Medicina Física e Reabilitação, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • Gilson Tanaka Shinzato Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo https://orcid.org/0000-0002-1462-7096
  • Marta Imamura Departamento de Medicina Legal, Bioética, Medicina do Trabalho e Medicina Física e Reabilitação, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • Linamara Rizzo Battistella Departamento de Medicina Legal, Bioética, Medicina do Trabalho e Medicina Física e Reabilitação, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v30i4a221241

Palavras-chave:

Tratamento por Ondas de Choque Extracorpóreas, Dor Lombar, Agulhamento Seco, Reabilitação

Resumo

Paciente do sexo masculino, 55 anos, apresentava antecedente clínico de radiculopatia lombar abordado cirurgicamente (discectomia e artrodese L5-S1) em dezembro de 2021, com resolução completa da dor associada. Iniciou com quadro de dor pós-operatória de características distintas. A primeira sessão de tratamento iniciou-se com terapia por ondas de choque extracorpóreas focal direcionada ao quadrado lombar, glúteo médio, glúteo mínimo e região peritrocantérica à direita. Posteriormente, associou-se agulhamento seco em pontos-gatilho presentes nesses mesmos 3 músculos e também no ligamento sacrotuberal direito, junto à inserção do glúteo máximo direito. Numa reavaliação uma semana depois, o paciente referiu uma redução de 70% da intensidade da dor inicial. O mesmo tratamento foi repetido, com resolução completa dos sintomas no final da sessão. Três meses depois, o doente manteve o controle álgico e recuperou totalmente a sua funcionalidade e qualidade de vida anteriores. Neste caso de limitação funcional a longo prazo devido a dor lombar crônica, a combinação da terapia por ondas de choque extracorporais e do agulhamento seco resultou num método eficaz e rápido para obter o alívio da dor e restaurar a funcionalidade anterior. No entanto, são necessários mais estudos para investigar o impacto desta combinação de terapias no controle da dor e na perda de funcionalidade devido à dor lombar crônica.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

GBD 2017 Disease and Injury Incidence and Prevalence Collaborators. Global, regional, and national incidence, prevalence, and years lived with disability for 354 diseases and in-juries for 195 countries and territories, 1990-2017: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2017. Lancet. 2018;392(10159):1789-1858. Doi: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(18)32279-7

Meucci RD, Fassa AG, Faria NM. Prevalence of chronic low back pain: systematic review. Rev Saude Publica. 2015;49:1. Doi: https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049005874

Knezevic NN, Candido KD, Vlaeyen JWS, Van Zundert J, Cohen SP. Low back pain. Lancet. 2021;398(10294):78-92. Doi: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(21)00733-9

Yue L, Sun MS, Chen H, Mu GZ, Sun HL. Extracorporeal shockwave therapy for treating chronic low back pain: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Biomed Res Int. 2021;2021:5937250. Doi: https://doi.org/10.1155/2021/5937250

Liu L, Huang QM, Liu QG, Thitham N, Li LH, Ma YT, Zhao JM. Evidence for dry needling in the management of myofascial trigger points associated with low back pain: a systematic review and meta-analysis. Arch Phys Med Rehabil. 2018;99(1):144-152.e2. Doi: https://doi.org/10.1016/j.apmr.2017.06.008

Lara-Palomo IC, Gil-Martínez E, López-Fernández MD, Gon-zález González LM, Querol-Zaldívar MLÁ, Castro-Sánchez AM. Efficacy of dry needling for chronic low back pain: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Altern Ther Health Med. 2023;29(8):110-20.

Rajfur J, Rajfur K, Kosowski Ł, Walewicz K, Dymarek R, Ptaszkowski K, Taradaj J. The effectiveness of dry needling in patients with chronic low back pain: a prospective, randomized, single-blinded study. Sci Rep. 2022;12(1):15803. Doi: https://doi.org/10.1038/s41598-022-19980-1

Simplicio CL, Purita J, Murrell W, Santos GS, Santos RG, Lana JFSD. Extracorporeal shock wave therapy mechanisms in musculoskeletal regenerative medicine. J Clin Orthop Trauma. 2020;11(Suppl 3):S309-S318. Doi: https://doi.org/10.1016/j.jcot.2020.02.004

Sems A, Dimeff R, Iannotti JP. Extracorporeal shock wave therapy in the treatment of chronic tendinopathies. J Am Acad Orthop Surg. 2006;14(4):195-204. Doi: https://doi.org/10.5435/00124635-200604000-00001

Cagnie B, Dewitte V, Barbe T, Timmermans F, Delrue N, Meeus M. Physiologic effects of dry needling. Curr Pain Headache Rep. 2013;17(8):348. Doi: https://doi.org/10.1007/s11916-013-0348-5

Downloads

Publicado

2023-12-31

Edição

Seção

Relato de Caso

Como Citar

1.
Oliveira RT de, Sikusawa GY, Jesus ACS de, Uchiyama SST, Kaziyama HHS, Santos TA dos, et al. Combinação de terapia por ondas de choque extracorpórea e agulhamento seco no tratamento de lombalgia crônica incapacitante: um relato de caso. Acta Fisiátr. [Internet]. 31º de dezembro de 2023 [citado 20º de julho de 2024];30(4):271-3. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/221241